Blog — 11 março 2019

Pais e mães sempre procuram os consultórios a fim de esclarecer uma dúvida: qual a diferença entre a Síndrome Asperger e Transtorno do Espectro Autista (TEA)? Este questionamento surge a partir do momento em que algumas pessoas acreditam na proximidade de determinadas características entre as duas condições como um motivo para incluí-las no mesmo grupo. No entanto, não é bem assim.

A Síndrome de Asperger

O Asperger é caracterizado como uma versão mais branda do autismo, mas é preciso salientar que ambos devem ser considerados coisas distintas. No caso da Síndrome de Asperger, podemos dizer que ela é marcada como uma condição cuja criança apresenta características peculiares em seu comportamento, mas nada que interfira na interação social e nos afazeres do cotidiano, como a escola e a vida profissional.

A pessoa diagnosticada com Asperger tem um sinal que a torna única em meio a um grupo de alunos, por exemplo: a fala consideravelmente rebuscada. Quem vive com Asperger é conhecido pela comunicação bem desenvolvida.

As crianças que convivem com a síndrome costumam demonstrar menos atrasos em seu desenvolvimento. Além disso, outro ponto que destaca os pequenos é a memorização. Eles são excelentes em sequências matemáticas, mapas e nos campos das artes, como música e pintura.

O Autismo

O Autismo é considerado um transtorno de desenvolvimento cujas consequências mais conhecidas são o comprometimento global da interação social. Isso implica em comportamentos repetitivos, restritos e problemas ligados à comunicação social da criança e do adulto.

Uma pessoa diagnosticada com o Transtorno do Espectro Autista apresenta problemas de linguagem. Muitas delas não desenvolvem a fala de maneira espontânea, tendo que ser submetidas a intervenções com especialistas (fonoaudiólogos).

Além disso, uma característica própria do Autismo é a hipersensibilidade que a maioria dos pacientes relata. Essa reação pode atingir o olfato, a audição, o tato e outros sentidos do corpo cujo estímulo, por mais moderado que seja, pode surtir um efeito insuportável para as crianças e adultos que convivem com o TEA.

Ecolalias

Enquanto as pessoas com Autismo costumam manifestar ecolalias como parte das características do transtorno, os pacientes com Asperger não demonstram esse traço.

Outros pontos que diferem a Síndrome Asperger e o Autismo

Quem vive com Asperger pode manifestar estereotipias leves, como o gosto aficionado por determinados objetos ou assuntos. De qualquer forma, essas características são bem mais leves quando comparadas ao Autismo.

No caso do TEA, as pessoas tendem a ser mais desatentas ou até mesmo hiperativas, dependendo do grau de intensidade que cada uma demonstra. Para se ter uma ideia, veja como a situação do Autismo pode ser dividida entre os pacientes infantis:

– 5% das crianças com autismo têm altas habilidades;

– 40% apresentam intelecto normal;

– 50% têm um retardo mental associados.

Na Síndrome de Asperger o nível de inteligência é normal e não sofre nenhuma variação que possa comprometer o desenvolvimento de atividades e outras funções.

Diferenças no diagnóstico

Enquanto o Autismo pode ser notado de forma precoce, quando a criança está na faixa que varia de 1 ano e meio a 3 anos; o Asperger só é percebido mais tarde. Além disso, uma característica determinante é o fato de a criança com autismo não apresentar tanta reciprocidade (algo incomum para bebês atípicos – que não convivem com TEA). Eles também não estabelecem comunicação visual. A partir disso, os pais levam a criança para acompanhamento médico.

Na Síndrome de Asperger ocorre algo diferente: as características aparecem ao longo do crescimento da pessoa. Sendo assim, é importante relembrar que para se chegar ao diagnóstico pelo fato de os sinais virem acompanhados de cada fase do desenvolvimento.

Fonte: entendendoautismo

Share

About Author

Janara da Silva

(0) Readers Comments

Comments are closed.