Notícias — 05 fevereiro 2018

Definidas como movimentos, comportamentos e/ou atividades desencadeadas de maneira involuntária e repetitiva, as estereotipias são consideradas comuns no Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Se você tem convívio com alguém no espectro, possivelmente tenha presenciado algum comportamento que caracteriza a estereotipia. Movimentos realizados sem um motivo aparente, tais como o girar e bater de mãos, acenar, balançar cabeça, tronco e membros, abrir e fechar de boca; saltar, correr, pular, olhar objetos fixamente, cruzar pernas e bater pés, entre outros.

As denominadas estereotipias podem envolver um ou todos os sentidos. Geralmente incluem ações que duram segundos, minutos, às vezes horas.

Cada criança com autismo tem o seu próprio repertório de estereotipias, que podem evoluir com o tempo e, nem sempre, são consideradas nocivas ao autista. Podem estar ligadas a momentos de estresse, ansiedade, fadiga, convívio social e outros estímulos ambientais. Por isso, esses comportamentos podem ser considerados “auto-estimuladores”, pois costumam proporcionar ao autista uma excitação sensorial de forma a acalmar ou até mesmo gerar uma sensação de satisfação interna. A estereotipia pode ajudar a aliviar a tensão de um ambiente excessivamente estimulante, pois ajuda a desfocar dos estímulos externos e se concentrar em si.

Estereotipias-no-Transtorno-do-Espectro-do-Autismo-Quando os episódios de estereotipia passam a interferir nos processos de desenvolvimento e aprendizagem, afetando a capacidade de comunicação e socialização, uma intervenção terapêutica pode ser recomendada. Identificar quando as repetições se tornam barreiras à realização das atividades diárias é o primeiro passo para melhorar a condição da criança, reduzindo ou eliminando os comportamentos estereotipados e reabilitando-a por meio da introdução de tratamentos, que incluem desde a Análise do comportamento aplicada (ABA) até medicamentos.

Estereotipia x Estereótipo: compreendendo as diferenças

É muito comum que os termos “estereotipia” e “estereótipo”, quando associados ao universo do autismo, se confundam.

Como observado, estereotipia é uma comorbidade associada ao TEA. Já quando empregamos o termo “estereótipo”, refere-se a estigmatizar a pessoa com TEA.

O desconhecimento da população em geral sobre o espectro, bem como a maneira que ele é retratado na ficção, como em novelas e alguns filmes, pode contribuir ainda mais para uma representação equivocada do universo do TEA, rotulando o autista e restringindo sua capacidade individual.

Cada pessoa no espectro, seja ela criança ou adulto, tem características próprias e potenciais igualmente diferenciados que, quando desenvolvidos, permitem ao autista alcançar independência e autonomia em suas atividades diárias, bem como conviver em sociedade.

Conhecer para compreender, acolher e desenvolver. Em se tratando do TEA, o conhecimento é uma das mais potentes armas que há para cuidar de quem está no espectro, reduzindo assim os desafios característicos do distúrbio e possibilitando ao autista uma melhor condição de vida, sem rótulos, sem estereótipos que possam limitar seu potencial enquanto ser humano.

Referências:

Carcani-Rathwell, I., Rabe-Hasketh, S. and Santosh, P. J. (2006), Repetitive and stereotyped behaviours in pervasive developmental disorders. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 47: 573–581. doi:10.1111/j.1469-7610.2005.01565.x. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16712634Acessado em 28 de janeiro de 2018.

Draaisma D. Stereotypes of autism. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences. 2009;364(1522):1475-1480. doi:10.1098/rstb.2008.0324. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2677582/#!po=42.5676> Acessado em 28 de janeiro de 2018.

Ghanizadeh A. Clinical Approach to Motor Stereotypies in Autistic ChildrenIranian Journal of Pediatrics. 2010;20(2):149-159. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3446025/> Acessado em 28 de janeiro de 2018.

GOLDMAN, S., WANG, C., SALGADO, M. W., GREENE, P. E., KIM, M. and RAPIN, I. (2009), Motor stereotypies in children with autism and other developmental disorders. Developmental Medicine & Child Neurology, 51: 30–38. doi:10.1111/j.1469-8749.2008.03178.x. Disponível em < http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1469-8749.2008.03178.x/full> Acessado em 28 de janeiro de 2018.

Megan A. Hattier, Johnny L. Matson, Katherine Macmillan & Lindsey Williams. Stereotyped behaviours in children with autism spectrum disorders and atypical development as measured by the BPI-01. Developmental Neurorehabilitation Vol. 16, Iss. 5, 2013. Disponível em < http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.3109/17518423.2012.727107?journalCode=ipdr20> Acessado em 28 de janeiro de 2018.

Stephen M. Edelson, Ph.D. Self-Stimulatory Behavior. Autism Research Institute. Disponível em https://www.autism.com/symptoms_self-stim Acessado em 31 de janeiro de 2018.

Watt N, Wetherby AM, Barber A, Morgan L. Repetitive and Stereotyped Behaviors in Children with Autism Spectrum Disorders in the Second Year of Life. Journal of autism and developmental disorders. 2008;38(8):1518-1533. doi:10.1007/s10803-007-0532-8. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2637365/> Acessado em 28 de janeiro de 2018.

Fonte: NeuroConecta

Share

About Author

Janara da Silva

(0) Readers Comments

Comments are closed.